Reitor do Uni-FACEF participa de encontro com ministro da Educação

Com Diário do Grande ABC

Na terça, 22, o Reitor do Uni-FACEF, Prof. Dr. Alfredo José Machado Neto, esteve reunido com outros reitores de instituições municipais de ensino superior – todas integrantes da AIMES-SP (Associação das Instituições Municipais de Ensino Superior de São Paulo), em encontro com o ministro da Educação, José Mendonça Bezerra Filho, para discutirem os rumos da educação e estreitarem laços entre o governo federal e a AIMES, entidade, que é formada por 24 instituições de Ensino Superior municipais – dentre elas o Uni-FACEF.

O ministro da Educação, na ocasião, declarou que “A Educação no Brasil vive contexto difícil”. A afirmação do atual gestor do MEC (Ministério da Educação) baseia-se no baixo desempenho dos estudantes no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) e nos altos índices de evasão escolar, principalmente no Ensino Médio, problemas gerados, na visão dele, pelo mau uso da verba pública investida na área, valor que ultrapassa 6% do PIB (Produto Interno Bruto) e tem expectativa de chegar a R$ 138 bilhões em 2017. De acordo com o ministro, “embora o Brasil tenha uma das economias mais fortes do mundo, o desempenho da Educação deixa a desejar”. “Não podemos permitir que um País com a sétima ou oitava economia mundial não alcance patamares minimamente razoáveis na Educação Básica. Temos destaque em todos os rankings de investimentos na Pasta, mas isso não tem refletido na qualidade do ensino.”

Mendonça Filho também criticou o desempenho dos estudantes no Ideb e lamentou a evasão escolar. “Desde 2011 não cumprimos as metas. Mostra que estamos muito aquém do mínimo esperado. O desempenho em Português e Matemática, por exemplo, está pior do que há 20 anos. Mais de 1,7 milhão de jovens não trabalha nem estuda.”

O ministro garante que haverá novos canais de comunicação entre o MEC e as instituições municipais de Ensino Superior. “A partir de agora vamos olhar para as universidades municipais com mais cuidado”, promete.

Outra reivindicação pautada foi a quitação de débitos do Fies (Financiamento Estudantil) desde agosto. “Aprovamos o crédito orçamentário no Congresso Nacional para eliminar os débitos do Fies. Também garantimos o programa para o ano que vem e trabalhamos para ampliar a oferta de vagas.”